PT
As Ilhas Encantadas

Cultura

A Europa e a sua relação com o mar, para ver na Cinemateca até 31 de maio

19 abr · 20h00

© Cinemateca Portuguesa

A Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema, em Lisboa, dá início esta segunda-feira ao ciclo “Os Mares da Europa”, dedicado ao mar enquanto assunto, cenário principal ou elemento simbólico no cinema. Um longo caminho marítimo que levará os espectadores do Atlântico ocidental até ao extremo norte e oriental da Europa, e a diversas épocas da história do continente.

 

O programa, que decorre até 31 de maio, aborda detalhadamente o tema, geograficamente circunscrito e limitado às cinematografias europeias que nele se inspiraram. Na sessão de abertura de “Os Mares da Europa” — uma iniciativa integrada na Programação Cultural da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia — serão exibidos três filmes, com acompanhamento ao piano por João Paulo Esteves da Silva.

 

La Mer (Baignade em Mer), dos irmãos Louis e Auguste Lumière, é um pequeno filme mudo, de um minuto, tal como A Sea Cave Near Lisbon (A Boca do Inferno em Cascais), de Harry Short. Ambos são exemplos longínquos do interesse do cinema pelo mar: captados em 1895 e no ano seguinte, respetivamente, o primeiro integrou a projeção inaugural dos irmãos Lumière. A sessão desta segunda-feira termina com Finis Terrae, de 1929, de Jean Epstein.

Finisterrae

© Cinemateca Portuguesa

Teórico e realizador, Jean Epstein foi uma das mais importantes figuras do cinema francês no período mudo, realizando ao mesmo tempo filmes próximos do cinema experimental, documentários ou semidocumentários. Epstein, que detestava atores, inventou o conceito de "paysage acteur" e utilizou unicamente não-profissionais, neste Finis Terrae, cuja ténue trama narrativa (“A vida é feita de situações e não de histórias”, dizia) faz da paisagem marinha da Bretanha uma personagem dramática. La Mer e Finis Terrae são exibidos em cópias digitais.

 

O enfoque de Mares da Europa é, portanto, a presença do mar no cinema europeu, de Portugal à Europa de Leste, do cinema mudo ao cinema contemporâneo. Um programa que dá conta de como a temática marítima alimentou, de forma profunda, uma parte significativa da melhor ficção e do melhor documentário europeu, servindo quer como centro dessas narrativas quer de elemento plástico e poético dessas obras.

U SAMOGO SINEVO MORIA

© Cinemateca Portuguesa

Neste ciclo, os espectadores poderão ver filmes de género (das aventuras marítimas de Sea Devils, à antecipação científica de F.R 1 Antwortet Nicht e à animação de Song of the Sea), visões mais autorais (Terje Vigen, Film Socialisme, À Beira do Mar Azul, La Pointe Courte, The Edge of the World), documentários essenciais da história do cinema (Mor’vran, Drifters; as curtas de Vittorio De Seta sobre a faina das populações costeiras italianas, Méditarranée) e do nosso presente (o drama da imigração no Mediterrâneo em Havarie).

 

Se a maior parte são escolhas incontornáveis num programa com esta temática, a Cinemateca procurou também incluir um pequeno conjunto de raridades nunca antes mostradas naquele espaço, designadamente do período final do cinema soviético.

 

Programa disponível aqui.